Queria encontrar as palavras certas para apaziguar a inquietação que vive no corpo, que se enrola na boca do estômago e se atrapalha no fundo da garganta. A inquietação que faz a voz tremer, que traz lágrimas aos olhos. Que PEDE, que GRITA para ser ouvida, mas que se encolhe, no último momento, como se não fosse possível, ainda, aparecer, merecer aparecer, merecer ser vista, merecer ser reconhecida. E fica calada, sozinha, triste, chorando, gritando num silêncio mudo, as palavras que resistem a ser ouvidas, por fim – e as palavras são estas, que agora saem. São estas as palavras. Estou aqui! Vejam, estou aqui! Querem brincar comigo? Posso brincar também? Posso brincar? Posso brincar contigo? Por favor, não te zangues comigo, não me ralhes. Podes tocar-me? Podes pegar-me ao colo? Gostava de ver as coisas daí de cima, deve ser bonito, não? Gostava de falar contigo sobre coisas importantes, como a Vida. Deve ser fantástico ser grande e ter a resposta para tudo, não? Sei que nunca vai acontecer comigo, essa coisa de ser grande, mas sabe bem estar ao pé de ti, faz-me sentir protegida e segura. Quando aqui estás sei que nada de mal me pode acontecer. Posso fechar os olhos e sentir o vento na minha cara, na minha pele, posso voar, pela tua mão. Posso subir às nuvens e viajar até ao Sol. Posso brincar com as estrelas e visitar o fundo do mar. A Vida não tem limites, porque estás a meu lado. E sinto-me segura. Grande como tu. Poderosa. E sei que sou o centro do Mundo, que todo este Universo foi criado para mim, para que eu pudesse brincar nele, segurando a tua mão. Sei que sou a criança mais especial do Universo, que sei que mereço tudo. Que sou capaz de tudo. Que tudo o que necessito existe, disponível, para mim. Sei que velas a meu lado quando durmo e por isso posso dormir em paz, repousando no teu Amor. Sei que sou amada, incondicionalmente amada, pelo simples motivo de existir. Sou livre. Sou grande, do tamanho do Mundo, porque eu e o Mundo somos um só. Quando me dás a mão e brincas comigo, somos do tamanho do mundo e o mundo inteiro estás em nós. Por isso te chamo PAI!

Por isso te chamo, Pai. Vem. Vem ter comigo. Tira-me daqui, deste local isolado e escuro onde me refugiei, porque o mundo era grande de mais sem ti. Porque o vazio de não te ver a meu lado era grande de mais para mim. Aqui não sinto. Aqui não me veem. Aqui não me dizem o que tenho que fazer, como tenho que me comportar, quem tenho que ser. Aqui estou em Paz. SÓ! Vem-me buscar. Tira-me daqui, leva-me pela mão, leva-me ao colo e faz com que tudo fique outra vez no sítio. PARA SEMPRE!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *