Todas nós acordamos, a cada manhã, para a realidade de ter um corpo, corpo esse que se pode apresentar com mais ou menos energia, que pode estar mais ou ou menos saudável, mas que sempre funciona suficientemente bem para nos permitir deslocar de um lado para o outro, para nos permitir perceber o mundo à nossa volta, para nos permitir recordar, raciocinar e imaginar, para nos permitir alguma forma de interacção com o mundo e com as outras pessoas.

E isso é algo verdadeiramente maravilhoso! Algo que nós podemos apreciar… ou em que podemos nem sequer reparar.

Todas nós, a cada dia, saímos de casa para a realidade de habitar a Terra, onde podemos respirar ar puro; olhar o céu azul, receber a carícia do Sol e, talvez, contemplar a Lua e as estrelas; onde encontramos árvores, plantas e animais à nossa volta; onde, talvez, possamos sentir o Mar ou as montanhas perto de nós. Vivemos num Planeta que nos oferece tudo o que precisamos para viver – ar, água e alimento.

E isso é algo verdadeiramente maravilhoso! Algo que podemos apreciar… ou em que podemos nem sequer reparar.

Todas nós, provavelmente, temos uma rotina da qual faz parte algum tempo dedicado a uma actividade, profissional ou não, que nos permite expressar as nossas habilidades, competências e talentos, que nos permite, de alguma forma, contribuir para o bem estar de outras pessoas ou organizações, para algo mais do que a nossa gratificação imediata, que nos permite, possivelmente, ser criativas, aprender coisas novas ou estabelecer relações significativas com outras pessoas.

E isso é algo realmente extraordinário! Algo que nós podemos apreciar… ou em que podemos nem sequer reparar.

Todas nós, a cada dia, regressamos a casa, a qual, melhor ou pior, nos proporciona protecção, aquecimento, conforto, segurança e privacidade. E possivelmente também acesso à internet!

E isso é algo maravilhoso! Algo que nós podemos apreciar… ou em que podemos nem sequer reparar.

Todas nós temos nas nossas vidas pessoas especiais, colegas que nos apreciam, amigos que gostam de nós, familiares, companheiros, companheiras, filhos e filhas que nos amam. Partilhamos a casa com pessoas ou animais que preenchem as nossas necessidades básicas de afecto, ligação, pertença, intimidade, amor.

E isso é algo verdadeiramente extraordinário! Algo que podemos apreciar… ou em que podemos nem sequer reparar.

Todas nós temos nas nossas vidas um número suficiente de coisas extraordinárias para que não se justifique o facto de não vivermos em êxtase permanente!

Por isso, quando me perguntam qual é a coisa mais importante na minha vida, a minha resposta é clara e sem hesitação – a coisa mais importante na minha vida é a prática de meditação. Porque foi a meditação que me trouxe a capacidade, maior ou menor, que hoje tenho, de apreciar todas as coisas extraordinárias que enriquecem a minha vida.

Por exemplo, a capacidade, maior ou menor, que hoje tenho de apreciar o facto de ser mãe de uma criança extraordinária e de ser abençoada com a oportunidade de estar com ela todos os dias.

Por isso a prática é a coisa mais importante da minha vida. É graças a ela que mantenho e cultivo a minha capacidade de estar presente, de apreciar, de dar valor, de compreender e de me responsabilizar pela minha Vida. É ela que permite que tudo o resto tenha valor e faça sentido. É graças a ela que vou descobrindo a minha capacidade de escolher o que quero fazer com a minha Vida.

Por isso também, hoje ofereço-te esta reflexão – Qual é a coisa mais importante da tua vida?

Se para ti faz sentido que o mais importante seja a tua capacidade de estar presente, de desfrutar, de apreciar, de escolher o que queres fazer com a tua vida, então, deixa-me terminar recordando-te duas coisas.

A primeira, é que tu já nasceste com essa capacidade de estar presente, de desfrutar, de apreciar, de escolher o que queres fazer com a tua vida…

A segundo, é que é possível que essa capacidade esteja um pouco adormecida, por falta de uso. Nesse caso, precisas de a despertar, de a acarinhar, de a nutrir.

A meditação é o despertar e o desenvolvimento da nossa capacidade natural de estar presentes à nossa Vida!

E posso dizer-te com toda a confiança que a prática consistente, mesmo que sejam apenas 10 minutos por dia, tem o poder de transformar radicalmente a forma como te relacionas com a vida. 10 minutos por dia podem redefinir o que significa para ti Viver.

E isso é algo realmente extraordinário! Algo que podes apreciar… ou em que podes nem sequer reparar!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *